Da Utilidade e das desvantagens da jurisprudência para a vida

a atualidade do pensamento de Julius Hermann Von Kirchmann

Autores

  • Diego Siqueira Rebelo Vale
  • Sandro Alex Souza Simões

DOI:

https://doi.org/10.29327/238407.6.2-2

Palavras-chave:

Ciência, Jurisprudência, História, Vida

Resumo

O presente artigo oferece uma análise da atualidade e da extemporaneidade do pensamento de um autor esquecido pela tradição do pensamento jurídico mais recente, o alemão Julius Hermann Von Kirchmann. Busca-se, em primeiro lugar, uma compreensão de suas contribuições epistemológicas à jurisprudência enquanto ciência jurídica, muito embora estas se confundam a todo o momento com o aspecto social de suas ideias. Desse modo, aborda-se o que o autor entende por ciência, direito natural e lei positiva, para em seguida adentrar-se no núcleo de sua crítica à ciência jurídica de sua época, a partir da leitura de Nietzsche por analogia. Ao final, espera-se que este trabalho traga material pertinente para a reflexão, não só aos juízes e advogados, mas principalmente aos professores de Direito, de modo que Kirchmann não seja mais visto com condescendência pela história do pensamento jurídico.

The present article offers an analysis of the contemporaneity and of the extemporaneity of the thought of an author forgotten by the most recent legal thought tradition, the german Julis Hermann Von Kirchmann. In the first place, it seeks to comprehend his contributions to legal epistemology, although they can be somewhat identified to the social aspect of his ideas. Thereby, we approach what the authors understands when he employs terms and concepts such as science, natural law and positive law, so that we can perceive what is thought to be the core of his critique of the jurisprudence at his century. In order to get closer to this core, we will attempt to do an analog reading of Nietzsche’s Second Untimely Meditation. In the end, we expect this work to bring relevant material for thought, not only to judges and lawyers, but mostly to teachers of Law, so that Kirchmann may not be seen with compliance by the history of legal thought anymore.

Biografia do Autor

Diego Siqueira Rebelo Vale

Licenciado em Direito pelo Centro Universitário do Pará-CESUPA (Brasil) e ex-tutor de História do Direito e do Pensamento Jurídico. Advogado. Especialista em Direito material e processual do trabalho

Sandro Alex Souza Simões

Professor Assistente convidado e investigador sênior do Instituto de Investigação Interdisciplinar da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa. Professor efetivo do Programa de Pós-Graduação do Centro Universitário do Pará, Cesupa, Brasil. Doutor em Direito

Referências

DILTHEY, Wilhelm. A construção do mundo histórico nas ciências humanas. São Paulo, Editora UNESP. 2010.

______. Poetry and Experience. Selected Works, Volume V. Princeton University Press, Princeton, 1997.

FIGAL, Günter. Nietzsche: Uma Introdução Filosófica. Mauad X, Rio de Janeiro. 2012.

HABA, Enrique. Kirchmann sabía menos... ¡Pero vio mejor!. In: Revista Doxa nº 14 – Cuadernos de Filosofía del Derecho. 1993.

JAEGER, Werner. Paideia: A formação do homem grego. Martins Fontes, São Paulo. 2013.

KIRCHMANN, Julius Hermann von Kirchmann. Él Caracter acientifico de la llamada ciencia del derecho. In: La Ciencia del Derecho. Editorial Losada S. A., Buenos Aires. 1949.

NIETZSCHE, Friedrich. Segunda Consideração Intempestiva: Da utilidade e desvantagem da história para a vida. Relume Dumará, Rio de Janeiro, 2003.

SANDSTRÖM, Marie. The concept of legal dogmatics revisited. In: BANKOWSKI,

Zenon (Ed.). Epistemology and ontology: IVR-Symposium Lund 2003. Stuttgart: Franz Steiner Verlag, 2005.

WIEACKER, Franz. História do direito privado moderno. Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa. 1980.

Publicado

22.10.2021

Como Citar

VALE, D. S. R.; SIMÕES, S. A. S. Da Utilidade e das desvantagens da jurisprudência para a vida: a atualidade do pensamento de Julius Hermann Von Kirchmann. Jus Scriptum - Revista Jurídica do NELB, [S. l.], v. 6, n. 2, p. 13–46, 2021. DOI: 10.29327/238407.6.2-2. Disponível em: https://jusscritum.pt/index.php/revista/article/view/81. Acesso em: 28 nov. 2021.