Democracia em crise na sociedade da informação

Autores

  • Ana Claudia Sousa de Campos FMU

DOI:

https://doi.org/10.29327/238407.6.3-4

Palavras-chave:

Redes Sociais, e-democracia, políticas, mídias sociais

Resumo

Este estudo pretende examinar as potencialidades das redes sociais - mídias sociais – no aperfeiçoamento, desenvolvimento e funcionamento da democracia. A sociedade da informação oferece todas as suas antigas e novas tecnologias no que diz respeito ao desenvolvimento de uma democracia. Com o advento das redes sociais e da web participativa, os usos e comportamentos sociais foram transformados. Essas mudanças afetaram tanto a sociedade, como também as instituições representativas e, claro, os representantes dos Estados que se utilizam das políticas. A política está mudando. Antes o político era inacessível, refugiado em seus domínios, agora ele se tornou "uma pessoa próxima”. Não obstante, se esta proximidade libera a “fala”, ela também levanta o problema da "emoção política", essa política de reação desmedida imposta pelas redes sociais provoca uma falta de “segurança” sentida por toda a sociedade. Não sendo mais a única fonte de informação em massa, nessa estrutura, a mídia tradicional também é impactada e forçada a ser mais responsiva. E por fim, entendemos que a internet pode reforçar a participação do cidadão no discurso político e que a e-democracia pode ser considerado como uma ferramenta apropriada para ampliar inda mais esse discurso. 

Referências

ALEXY, Robert. Constitucionalismo discursivo. Tradução: Luís Afonso Heck. 2 ed. rev. Porto Alegre: Livraria do Advogado Editora, 2008.

ARENDT, Hannah. Ética e política. Tradução: Eugênia Sales Wagner. São Paulo: Ateliê Editorial. 2006.

ARON, Reimond. A era da tecnologia. Rio de Janeiro: Cadernos Brasileiros. 1965.

BESORA, David Bañeres (coordinador). BALLESTÉ, Antoni Martínez. MARTÍNEZ Gregorio Robles. Fundamentos tecnológicos de la sociedad de la información. Barcelona: FUOC. 2010.

BOBBIO, Norberto. Liberalismo e democracia. Tradução Marco Aurélio Nogueira. São Paulo: Edipro. 2017.

BVerfGE 90, 1 (20f.) apud ALEXY, Robert Constitucionalismo discursivo. Tradução: Luís Afonso Heck. 2 ed. rev. Porto Alegre: Livraria do Advogado Editora, 2008.

CASTELLS, Manuel. CARDOSO, Gustavo. A sociedade em rede: do conhecimento à acção política. Conferência promovida pelo Presidente da República 4 e 5 de março de 2005 | Centro Cultural de Belém. Imprensa Nacional Casa da Moeda.

CASTELLS, Manuel. A galáxia da internet: reflexões sobre a internet, os negócios e a sociedade Tradução: Maria Luiza X. de A. Borges. Zahar. 2001.

DA SILVA, José Afonso. Poder constituinte e poder popular – estudos sobre a constituição. 1 ed, 3 tiragem. São Paulo: Malheiros Editora. 2007.

DWORKIN, Ronald. Is democracy possible here? Principles for a new political debate. New Jersey: Princeton University Press. 2006.

HAHARI, Yuval Noah. 21 lições para o século 21. Tradução: Paulo Geiger. 3 ed. São Paulo: Companhia das Letras. 2018.

HERAS, Jorge Xifras. Curso de derecho constitucional. Barcelona: Bosh. 1962.

HOFFMANN- RIEN, Wolfgang. Teoria geral do direito digital. transformação digital desafios para o direito. Tradução: Italo Fuhrmann. Rio de Janeiro: Forense, 2021.

ISSACHAROFF, Samuel. Fragile Democracies. contested power in the era of constitutional courts. New York, Cambridge University Press, 2015.

LEVITSKY, Steven. ZIBLATT, Daniel. Como as democracias morrem. Tradução: Renato Aguiar. Rio de Janeiro. Zahar. 2020.

LÉVY, Pierre. Cibercultura. Tradução: Carlos Irineu da Costa. São Paulo: Editora 34. 1999.

LUHMANN, Niklas. The reality of the mass media. Tradução: Kathleen Cross. 1 ed. Stanford University Press. 2004.

MIRANDA. Pontes. Democracia. Liberdade. Igualdade. (Os três caminhos). São Paulo: Ed José Olympio. 1945.

MORIN, Edgar. Cultura de massas do século XX - o espírito do tempo - 1 Neurose. Tradução: M. R. Sardinha. Rio de Janeiro: Forense Universitária. 1987.

POPPER, Karl R. Em busca de um mundo melhor. 3 ed. Lisboa: Fragmentos. 2006.

REALE, Miguel. O estado democrático de direito e o conflito das ideologias. 3 ed – rev. São Paulo: Saraiva. 2005.

RIVERS L. William. SCHRAMM Wilbur. Responsabilidade na comunicação de massa. Tradução Muniz Sodré e Roberto Lent. Rio de Janeiro: Edições Bloch. 1970.

RODOTÀ, Stefano. A vida na sociedade da vigilância. A privacidade hoje. Tradução: Danilo Doneda e Luciana Cabral Doneda. Rio de Janeiro: Renovar. 2008.

SRINIVASAN, Ramesh. FISH, Adam. After the internet. Polity Press. 2017

THURICH, Eckart. Herausgeberin: bundeszentrale für politische bildung - bpb, Adenauerallee. Bonn. 2010.

VACCARI, Cristian. Digital politics in western democracies: A comparative study. Baltimore: JHU Press. 2013.

VERGGEER, M. HERMANS, L & SAMS, S. Online social networks and microblogging in political campaigning: The exploration of a new campaign tool and a new campaign style. Party Politics. 2013.

Sites

Disponível em: https://www.eff.org/cyberspace-independence - acesso em 10 de Jul de 2021.

Disponível em: https://core.ac.uk/download/pdf/88383318.pdf - acesso em 30 de Jun de 2021.

Disponível em: http://www.abi.org.br/institucional/legislacao/codigo-de-etica-dos-jornalistas-brasileiros/ - acesso em 13 de Jul de 2021.

Disponível em: https://www.un.org/fr/chronicle/article/etat-de-droit-et-democratie-reduire-lecart-entre-les-politiques-et-les-pratiques - acesso em 30 de Jun de 2021.

Disponível em: https://brasil.elpais.com/brasil/2018/04/25/eps/1524679056_056165.html - acesso em 07 de Abr 2021.

Disponível em: https://www.talsom.com/insights/definition-internet-des-objets/ - acesso em 28 de Jun de 2021.

Disponível em: https://blog.nubank.com.br/o-que-e-blockchain/ - acesso em 28 de Jun de 2021.

Publicado

29.03.2022

Como Citar

SOUSA DE CAMPOS, A. C. Democracia em crise na sociedade da informação. Jus Scriptum’s International Journal of Law, [S. l.], v. 6, n. 3, p. 69–86, 2022. DOI: 10.29327/238407.6.3-4. Disponível em: https://jusscritum.pt/index.php/revista/article/view/79. Acesso em: 12 ago. 2022.